Pep Talk 2008: Piers Anthony

Introdução

O QG do NaNoWrimo presenteou os participantes em 2008 com 9 mensagens de escritores consagrados, os famosos Pep Talks ("conversas estimulantes" ou orientações da equipe de apoio para que um concorrente se saia bem na disputa), com dicas para vencer obstáculos na escrita, abusando da criatividade e profissionalismo para levantar o astral dos aspirantes a escritor. O ebook com os Pep Talks de seis anos anteriores - 80 páginas em PDF - é vendido no site do NaNoWrimo mas, como participei (e venci) este ano, vou traduzir e postar todas que recebi. Os posts serão em dezembro, nos mesmos dias em que foram enviadas por email, originalmente, em novembro. Como não sou tradutor profissional, apesar da boa intenção e esmero, podem aparecer erros e agradeço a quem sugerir correções. A ordem dos Pep Talks será:
  1. Jonathan Stroud (dia 5)
  2. Philip Pullman (dia 7)
  3. Katherine Paterson (dia 12)
  4. Meg Cabot (dia 14)
  5. Janet Fitch (dia 20)
  6. Gayle Brandeis (dia 22)
  7. Nancy Etchemendy (dia 25)
  8. Piers Anthony (dia 30)
  9. Kelley Armstrong (dia 3 - post-event)

Tradução (por Jefferson Luiz Maleski)

Caro Escritor,

Você é um tolo. E sabe disso, não é? Porque só um tolo tentaria uma proeza tão louca como esta. Querer escrever um romance de 50.000 palavras em um mês?! Você tem serragem na cabeça? Quando há tantas outras coisas mais úteis para fazer, como a limpeza da casa e do quintal, fazer um curso de chinês por correspondência, ou contribuir com seu tempo e esforço para uma causa beneficente? O que está te possuindo?

Considere a primeira carta do baralho do Tarô, chamada O Tolo. É um jovem vagando com um pequeno cachorro em seu calcanhar, carregando um saco de objetos materiais na ponta de uma vara de madeira, e uma flor na outra mão, olhando extasiado para o céu - e a um passo de cair num precipício, porque não presta atenção aonde pisa. Um tolo mesmo. Isso soa familiar? Deveria. Você está fazendo a mesma coisa. O que te fez pensar que poderia trabalhar descuidadosamente em um livro ruim assim, ou escrever algo legível?

Você vai desistir desta tolice e focar na realidade antes de cair no precipício? Não? Tem certeza? Mesmo sabendo que parentes, conhecidos, e amigos que você nunca fará nada mais do que a dar um monte de feijão estão prestes a confirmar as suas suspeitas? Você está com o maldito grunhido na cabeça para poder subir o degrau mais baixo do senso comum?

Suspiro. Você é uma alma perdida. Portanto, não há nenhuma ajuda a não ser aderir à humilde companhia do outro aspecto de O Tolo. Porque a verdade é que o Tolo é um Sonhador, e são os Sonhadores que, no final das contas, fazem a vida valer a pena para o resto dos sem imaginação. Os Sonhadores consideram o vasto universo. Os Sonhadores constroem catedrais, modelam belas esculturas, e sim, fazem literatura. Os Sonhadores são os artistas que fornecem para a nossa espécie predadora algumas fracas evidências de nobreza.

Talvez você não vire um romancista de sucesso, nem mesmo um bom romancista. Mas está tentando. E, se acreditar, estará no raro um por cento da nossa espécie. Talvez menos que isso. Você aspira por algo melhor que a corrida de ratos normais. Pode não alcançar muito, mas é a atitude que conta. Assim como acontece nas mutações: 99% delas são ruins e não sobrevivem, mas o 1% das melhores são responsáveis pela evolução da espécie a um estado mais apto. Você sabe que as probabilidades estão contra você, mas quem sabe? Se não tentar, nunca vai ter certeza que você poderia, talvez, possivelmente, ter feito isso. Então você tem que se esforçar, ou ser condenado para sempre na própria escuridão de seus olhos.

Atualmente, escrever 50.000 palavras não é difícil. Você pode escrever "Maldição!" 50.000 vezes. Ah sim, você quer uma história legível! Esse será mais um desafio. Mas você sabe, pode ser feito. No meu auge, antes de saúde da minha esposa decair e eu ter de assumir as refeições e tarefas, eu escrevia rotineiramente 3.000 palavras por dia, tendo dois dias uma semana de folga para atender emails dos fãs, e 60.000 palavras em média por mês. Agora eu tento escrever 1.500 com esperança de 2.000. É o que eu faço. Se você escrever um tanto a cada dia, no mínimo, e passar alguns dias, terá a sua quota mensal. No dia 10 do mês de agosto de 2008, eu comecei a escrever o meu romance Xanth, Knot Gneiss, sobre o desafio de uma rocha que se transforma não em uma pedra, mas em um enorme nó de madeira petrificada que amedronta quem se aproxima dela. Petrificado = aterrorizado, entendeu? E pelo trigésimo dia eu tinha 35.000 palavras. Esse é o mesmo ritmo. Se eu posso fazer isso na minha trêmula velhice – tenho 74 anos – você pode fazer na sua relativa juventude.

Claro que precisa idéias. E você pode coletá-las em qualquer lugar. Notei que o nosso jornal vem em um saco plástico amarrado. O nó é muito apertado para desfazer sem esforço, então eu apenas rasgo o pacote para ficar com o que há dentro. É um incômodo, gostaria de desamarrar. Então eu pensei, talvez houvesse essa linda entregadora que tem um fraco por mim, e ela amarra um amor – nós e laços para me avisar. Não que na minha idade eu saiba o que fazer com uma garota de verdade, mas continua sendo uma fantasia divertida. Ok, existe a idéia. Eu poderia usá-la na minha ficção. Talvez até mesmo em um Pep Talk. O mundo ao redor forneceu a saída. Ele fará o mesmo por você, se estiver alerta.

Aqui está um segredo: textos fictícios não fluem necessariamente de maneira fácil. Na maioria das vezes, é mais como cortar uma estrada através de uma montanha. Você só tem que continuar trabalhando com sua escolha, esculpindo através da rocha, fazendo progressos lentos. Pode não ser lindo no início. A lindeza não vai aparecer até mais tarde, na fase de polimento, fora do seu mês. Agora, você só tem que deixá-lo terminado, usando a força bruta se necessário. Talvez a sua história não seja muito original. Tudo bem, por hora. Basta terminar. A originalidade pode estar mais nos olhos do leitor que em qualquer avaliação objetiva.

Você pode fazer isso a partir de um começo fixo, até de um devaneio tolo quando deveria estar prestando atenção no Pep Talk. Você vai querer experimentar um pouco mais de qualidade, naturalmente, e talvez um pouco de realismo. Acrescente uma idéia, junte alguns personagens, encontre um local adequado para começar, e transforme-as livremente em sua imaginação. Agora vá para casa e ligue os seus motores!

Piers

Piers Anthony é o autor da série Xanth. Saiba mais sobre ele visitando o seu website.

Leia também o texto original em inglês.
Postar um comentário