É possível um Microdiálogo Impossível


Este mês, o Portal Literal lançou a promoção cultural Microdiálogos Impossíveis, em homenagem à recuperação do estado de saúde de Luis Fernando Verissimo. Os participantes deveriam escrever em 140 caracteres, ou um tuíter, um diálogo impossível entre personagens famosos da história ou literatura. Os três primeiros colocados ganhariam o livro Diálogos Impossíveis do LFV. E não é que tirei o segundo lugar? Eis a minha contribuição premiada.
Que boca grande você tem, disse o Lobo Mau ao Gato de Cheshire, sem perceber que ele fora embora ao nascer da lua.
Clique na imagem para vê-la maior.

The Following (FOX, 2013-)

Eis que há um novo sopro de vida literária nas séries televisivas, e com Kevin Bacon com ovos encarando de frente (dãr) James Purê-foy. Apontada pelas línguas-assassinas-em-série como sendo a provável substituta para Dexter - que tem a última temporada prevista para 2013 - The Following (literalmente, Os Seguidores) já está no 2º episódio. Eu curti o ritmo intenso a cada episódio e os vislumbres de boas premissas para a 1ª temporada. A impressão ao seguir os episódios é que você está acompanhando um livro policial sendo escrito. É muito bom ver que todo o marketing em cima da série não foi em vão. Aliás, lindões e sinistros os posteres encontrados na net com escritos macabros em rostos de ditas pessoas normais.

Poster: 

Sinopse: 
Um notório assassino em série, Joe Carroll, ex-professor universitário fanático por Edgar Allan Poe, escapa do corredor da morte e começa a matar novamente, o que faz com que o FBI entre em contato com o ex-agente Ryan Hardy para dar consultoria no caso. Aposentado, Hardy foi o responsável por capturar Carroll nove anos antes, portanto, sabe exatamente como o criminoso age, conhecendo-o melhor do que qualquer um. Entretanto, o ex-agente não é a mesma pessoa de anos atrás, já que traz feridas físicas e psicológicas ligadas ao caso. Apesar de seu grande conhecimento, Hardy é visto como um problema para o time encarregado, entre eles os agentes Mike Weston e Jennifer Mason. Mas Hardy prova ser de grande valia quando descobre que Carroll está se comunicando com uma rede de criminosos em todo o mundo. Fica claro que escapar da prisão era apenas o primeiro passo de algo muito maior, envolvendo diversos assassinos desconhecidos. Carroll está focado em terminar aquilo que começou nove anos antes, colocando Hardy como peça importante de seu tabuleiro. Enquanto isso, Hardy terá uma segunda chance de capturar seu grande inimigo, enquanto lida com um culto de serial killers.

Trailer:

O que o medo pode nos ensinar

Imagine que você é um marinheiro náufrago à deriva no imenso Pacífico. Você pode escolher uma de três direções e salvar a si mesmo e a seus companheiros -- mas cada escolha vem com uma temida consequência também. Como você escolhe? Contando a história do baleeiro Essex, a romancista Karen Thompson Walker demonstra como o medo impele a imaginação, à medida que nos força a imaginar possíveis futuros e como lidar com eles.

Top Five 2012: os melhores LIVROS lidos durante o ano

Enfim, o último dos meus posts chatos denominados Top5 e que costumam aparecer somente nas viradas de cada ano. Sinta-se livre para respirar depois de hoje, ó paciente e intrépido leitor meu. Na listagem, há algumas novidades mas outros que já previa entrarem aqui desde o ano anterior. Os cinco livros abaixo saíram dos 128 que constam na minha lista de Leituras de 2012. Vale ressaltar que os critérios que me levaram a escolher os abaixo são muito similares ao que usei para escolher os Top5 filmes de 2012: 1) os que me dão vontade de reler tão logo termino a leitura; 2) os que passo a indicar aos amigos como tendo o "selo JLM" de boa leitura garantida (grande bosta); 3) os que fazem me interessar por outras obras do diretor ou com o mesmo tema; e 4) os que passam a fazer parte de meus pensamentos, conversas e citações cotidianas.

1. O eterno marido (1870), Fiódor Dostoiévski, 216 páginas, Editora 34 - Um dos livros mais completos do Dosto, misturando doses certas de comédia e tragédia. Li ele duas vezes - primeiro para ter a visão geral da obra e segundo para captar os detalhes - para o Clube de Leitura do Fórum Valinor e também o resenhei no LibruLumen. Por tudo o que já disse sobre ele na resenha, tava óbvio que não poderia escolher outro nesta colocação. O livro foi emprestado por um amigo que tem a Coleção Leste completa, da 34.


2. A tormenta de espadas (2000), 884 páginas | O festim dos corvos (2005), 644 páginas | A dança dos dragões (2011), 872 páginas, George R. R. Martin, Editora Leya - No ano passado eu já havia trapaceado indicando os três primeiros volumes da saga na primeira colocação. Pois nesse ano vou trapacear ainda mais indicando novamente o 3º volume (além do 4º e do 5º), já que pensava que iria finalizá-lo em dezembro de 2011 e só terminei em fevereiro de 2012. Percebi uma estatística estranha: não consigo ler os livros da série em apenas um mês, acho que por causa das letras miúdas e muitas informações por página. É o tipo de leitura que rende dez páginas por hora ou menos. Apesar de ser extremamente prazerosa. O duro vai ser aguardar o próximo volume, que muito otimista chuto vai sair lá por 2015.


3. Bastar a si mesmo (2012), Arthur Schopenhauer, 80 páginas, Editora WMF Martins Fontes - Sou fã do Schopenhauer quando o assunto é provocação intelectual. Ele sabe como atiçar um bom debate, mesmo defendendo argumentos que você não concorde. A Martins Fontes lançou uma nova coleção filosófica, a Coleção Ideias Vivas, com um visual bastante caprichado. A edição do Schopenhauer, por exemplo, traz fotografias de motoqueiros em diversas cores contrastando com os textos. Outros escritores que estão na coleção são Pascal, Sêneca, Plutarco, Luciano e Locke.


4. As cidades invisíveis (1972), Italo Calvino, 160 páginas, Editora da Folha - Um livro muito gostoso de se ler e que leva a sua imaginação por um passeio maravilhoso. Você parece ver à sua frente cada cidade descrita, e entende a mensagem que o escritor quer passar descrevendo os problemas e diferenças de cada uma. Interessante notar que a estória propriamente dita - o diálogo entre Marco Polo e Kublai Khan - acontece como pano de fundo, não sendo o foco principal.


5. Perfeição e outros contos (1924-1939), Vladimir Nabokov, 200 páginas, Companhia das Letras - Nabokov é um exímio contista, ninguém pode negar. Dá para perceber a acuidade com as palavras, o esmero em não ser prolixo, desnecessário. Gostei tanto dos contos que até escrevi um inspirado em uma das estórias do livro. Só achei que a tradução (dificílima, aliás, pois dela depende o desfecho) do conto As Irmãs Vane ficou melhor na revista Arte e Letra: Estórias H. Este livro está esgotado na editora e só é encontrado em sebos.

Além das cinco acima, deixo uma menção honrosa para as edições H e J da revista de contos Arte e Letra: Estórias, e para várias das edições da Coleção 64 Páginas, da L&PM, que por menos de cinco reais me iniciaram nos escritos de Gogol, Sade, Bukowski e Balzac. Certeza que vou ler mais obras destes autores em breve.

Top Five 2012: as melhores HQs lidas durante o ano

Diferente de 2011, em que havia lido somente 5 HQs, em 2012 aumentei o número para 12, podendo assim escolher quais mais gostei e não apenas listar as que li. Confesso que tentei ler Do Inferno (1989-1996, Allan Moore) mas não consegui. Achei que muito texto atrapalhou a fluidez da narrativa no formato HQ.


1. The Walking Dead nº. 16 (#91-96): Um mundo maior (2012) e nº. 17 (#97-102): Algo a temer (2012) - Kirkman & Adlard & Rathburn - A saga de Rick Grimes e sua thurma continua sádica ao extremo. E por isso tão boa. Quem poderia imaginar que como comemoração da edição nº. 100 os escritores matassem um dos personagens principais? E com requintes de crueldade. Provavelmente a série continue por um bom tempo e entre na lista Top5 2013 das HQs novamente.


2. Kick-Ass nº. 2 (#1-7) (2010-2012) - Mark Millar & John Romita Jr. - Apesar de ter gostado mais do filme que da HQ #1, na 2 os escritores conseguiram se superar, evoluindo a luta entre heróis e vilões de algo individual para coletivo. Hit Girl como sempre apaixonante, só acho que deveriam mudar a atriz na continuação da TV programada para 2013, afinal, ela cresceu, né, e não vai convencer que tem só 9 anos. Mas, como sempre, certeza que vão adaptar para uma Hit Girl adolescente.


3. A Guerra dos Tronos: HQ vol. 1 (2012) - Martin & Abraham & Patterson - É uma alternativa interessante para quem leu os livros e acompanha a série ver um novo olhar sobre a caracterização dos personagens, lugares e cenas. O trono de ferro, por exemplo, ficou lindão em sua versão quadrinhos.


4. A Comédia Trágica ou a Tragédia Cômica de Mr. Punch (1994) - Neil Gaiman & Dave McKean - Uma boa surpresa do Gaiman contar uma das histórias dos bonecos de fantoche (mamulengo) mais antigas do mundo, justamente em um ano em que eu estive envolvido com isso. O teatro de bonecos Punch e Judy é brutal, mas faz parte da cultura infantil britânica desde o século XVII.


5. Fábulas nº. 1 (#1-5): Lendas no Exílio (2002) - Bill Willingham & Lan Medina - Na verdade esta entrou só para fechar o número. Apesar da HQ ser muito famosa e citada até em filmes, não consegui gostar da trama. Achei muito simplória. Talvez melhore nos números adiante, mas não é algo que eu queira pagar para ver. O estilo lembra muito a série televisiva Once Upon a Time. É certeza de que quem curte a série vai gostar da HQ e vice-versa.

Veja também:
- Top Five 2011 de HQs

Top Five 2012: as melhores SÉRIES vistas durante o ano

Das 22 séries que assisti em 2012, é fácil escolher quais se destacaram, para mim. Como sempre, as séries inglesas da BBC continuam sempre surpreendendo, pela originalidade e por adaptações literárias. Apesar de não entrarem nos Top5, um destaque especial vai para Grandes Esperanças (BBC, 2011) que me deixou com vontade de ler o livro do Charles Dickens, a 1ª e 2ª temporadas de Homeland (Showtime, 2011-), ótima adaptação americana da série israelense Prisioners of War, e a 2ª temporada de Guerra dos Tronos (HBO, 2011-), com a épica batalha de Blackwater. Apesar disso, não achei que estas três foram melhores que as cinco abaixo.




1. Black Mirror (Cinemax, 2011-). Nota IMDB: 8,5. O título "Espelho Negro" se refere à tela do monitor quando está desligado. Nada melhor para destacar uma série que critica a tecnologia, o mau uso e a dependência que temos dela. Com apenas três episódios, cada um contando uma história independente, você sente que o objetivo dos realizadores é te incomodar, te tirar do comodismo. E conseguem. Seja sentindo nojo, raiva ou indignação, ela te dá muito material para discussão. Parece que vai sair uma nova temporada em 2013. Veremos.


2. Suits: 2ª temporada (USA Network, 2011-). Nota IMDB: 8,9. Sou fã de séries que os roteiristas fazem uma evolução ascendente na estória, tornando-a cada vez mais interessante. Mesmo a 2ª temporada ainda não terminando (faltam quatro episódios que passarão em jan/fev de 2013) já garantiu estar no meu Top5. Quem diria que as reviravoltas e maracutaias dentro de um escritório de advocacia americano fossem praticamente uma guerra diária. Todos os amigos que a indiquei gostaram, menos um que justificou ser uma série só com gente bonita. Já eu não tenho nenhum problema com isso. Ah, Donna... Ah, Rachel...


3. Dexter: 7ª temporada (Showtime, 2006-). Nota IMDB: 9,1. Não tem jeito, os outros podem falar que Dexter caiu em qualidade, mas fã de carteirinha não liga. Ainda mais quando sei que na TV o Dexter é melhor que nos livros, não tem como não vibrar a cada temporada. Nesta, por incrível que pareça, o sociopata Dex se apaixona por alguém igual a ele, tendo de enfrentar todos os dilemas que isso traz. Além, é claro, de enfrentar os ciúmes da pentelha da Debra, que agora sabe TUDO.


4. Sherlock: 2ª temporada (BBC, 2010-). Nota IMDB: 9,2. Outra série de poucos episódios (três) por temporada, mas em que cada um é praticamente um filme, com mais de uma hora de duração. É daquelas séries que conseguem trazer um personagem histórico para os tempos atuais sem estragar as investigações originais.


5. Os Pilares da Terra (The Pillars of the Earth), (Starz, 2010). Nota IMDB: 8,1. Apesar da produção soar muito HBO pro meu gosto - aquelas séries que dão a impressão de serem produzida para a TV - fiquei intrigado em conhecer inicialmente o trabalho de Ken Follett pela telinha. Para quem não sabe, ele é um escritor famoso que conseguiu transformar a construção de uma catedral em um livro interessante de cerca de 1000 páginas. Resultado: imitei o George R. R. Martin e comprei o livro para ler também. Em 2013, quero ver a continuação, outra série que se passa 200 anos depois, Mundo Sem Fim. Ah, Pilares também tem uma das aberturas mais bonitas que já vi.

Veja também:
- Top Five 2011: as melhores SÉRIES vistas durante o ano

Top Five 2012: os melhores FILMES vistos durante o ano

É chegada a hora de fazer o retrospecto dos melhores filmes assistidos em 2012, independente se lançados durante o ano ou antes. Como sempre, deixo de fora os que re-vistos. Notei que este anos vi poucos documentários, uma pena, pois aprecio muito. É algo a corrigir em 2013. E vale a pena repetir quais foram os meus critérios para a seleção: 1) os que não me canso de rever e até sinto prazer nisso; 2) os que guardo uma cópia de emergência para repassar a todos os amigos; 3) os que a trilha sonora me cativa; 4) os que fazem me interessar por outras obras do diretor ou dos atores protagonistas; e 5) os que passam a fazer parte das minhas conversas e citações cotidianas.


1. Intocáveis (Les Intouchables), França, 2011. Nota IMDB: 8,6. Uma comédia dramática que aborda a amizade entre um multimilionário tetraplégico e o seu auxiliar de enfermagem nada convencional. Baseado no livro autobiográfico de Philippe Pozzo di Borgo, teve o dinheiro arrecadado com a venda dos direitos da adaptação para o cinema doado a uma associação de ajuda a deficientes físicos. A trilha sonora faz uma boa mistura entre música clássica e ritmos dos anos 80.


2. Amor Verdadeiro (Totally True Love / Jørgen + Anne = Sant), Noruega, 2011. Nota IMDB: 6,8. Anne, de 10 anos de idade, se apaixona pela primeira vez. Ela precisa aprender a lidar com os seus sentimentos enquanto batalha com uma rival da escola. A amizade com Beate e o tom de fábula em algumas passagens o transformam em algo gostoso de se ver/rever, exalando uma inocência infantil que não costumamos presenciar tão bem retratada em filmes. A trilha sonora, produzida especialmente para o filme, é um show à parte. Veja uma amostra.


3. O Som do Ruído (Sound of Noise), Suécia, 2010. Nota IMDB: 7,1. Um verdadeiro Clube da Luta musical. Amadeus Warnebring, um policial sem capacidades musicais, vem de uma família respeitada no mundo da música. Ele terá que perseguir e pegar um grupo de anarquistas que espalham um terror diferente pela cidade. Apesar de ser uma comédia, traz interessantes reflexões filosóficas sobre ordem vs. anarquia.


4. O Segredo da Cabana (The Cabin in the Woods), EUA, 2011. Nota IMDB: 7,2. Há tempos que não assistia a um bom terror. E este além de ser uma gostosa homenagem aos famosos 'terrir' dos anos 80, faz uma excelente releitura estilo ficção lovecraftiana (se é que isso é possível). Cinco amigos vão passar uns dias numa cabana no meio da floresta sabendo que há algumas regras bem claras a serem cumpridas no local. Tudo, no entanto, leva as pessoas a quebrarem essas regras, o que obviamente garante uma severa punição a eles. Pra mim, o filme já nasceu clássico.


5. A Pele que Habito (La Piel que Habito), Espanha, 2011. Nota IMDB: 7,6. A dobradinha entre Pedro Almodóvar e Antonio Banderas desta vez deixa uma sensação bem desconfortável nos homens, e por isso é muito bom. Roberto Ledgard é um cirurgião plástico em busca de vingança por sua filha. Mas uma vingança bem doentia e diferente, capaz de mudar a vida de muita gente.

Veja também:
Top Five 2011: os melhores FILMES vistos durante o ano

Jardim


Dois tons opostos, mas nem tanto

- Amor, se eu te pedir uma coisa você promete mi dá? É sério.

- …

- Faz um filho seu ni mim?

Era só o que me faltava. Uma daquelas frases que fazem disparar o alarme na minha cabeça, com luzes vermelhas piscando, papel voando e gente correndo pra todos os lados. Ainda bem que ela usou a variação do 'antes'. A do durante seria 'amor, a minha menstruação tá atrasada'. A do depois nem preciso falar. Até me lembro de como fiquei perplexo quando ouvi essa proposta ridícula pela primeira vez. Agora já virou carta marcada, moda de quem ainda acha que filho segura homem. Mas vou dar corda, quero ver até aonde ela quer chegar.

- Por quê isso agora?

- É que gosto tanto de você... queria algo teu para lembrar de você sempre.

- Eu te dou uma foto.

- Não é isso, seu bobo. Vai me dizer que você nunca imaginou ver um galeguinho de olhos azuis com a sua cara correndo por aí?

Pensar pensei, mas não pra agora. E muito menos com você. Já tô até vendo a cena, eu chegando com um mulatinho lá em casa e mostrando pra dona Zuleica. Minha mãe ficaria sem falar comigo por pelo menos uma década. E eu pensando que tava com sorte, todo todo contando vantagens pros amigos. Mas sempre dá nisso, quando a gente acha que tá numa boa, que arrumou uma gostosa boa de cama pra comer sem compromisso nenhum além de tentar dar duas ou três na noite, ela tem que estragar todo o clima. Depois reclama que broxei cedo. Uma pena. Foi bom enquanto durou, mas vou ter que dispensar. Mas, peraí, quem sabe ainda consigo tirar isso da cabeça dela. Afinal, ela não é lá muito esperta.

- Só me conta como o teu marido reagiria tendo um filho mais claro que vocês dois?

- Já pensei nisso também. Apesar dele ser moreno, o pai dele é gringo branquelo quinem você. Nem ia desconfiar. Jogaria a culpa nos gens.

- Genes.

- Isso. E ele já tá me enchendo faz tempo pedindo um filho, iria ficar superfeliz. Rezistraria no nome dele e tudo. Você não precisaria esquentar a cabeça com nada. E se um dia eu me separar, não vou sair de mão abanando, posso pedir pensão do menino pra ele.

Ou pra mim, né. Tô entendendo tudo. Daí a safada larga o corno, ele pede de-ene-á e advinha quem vai ser o próximo na fila das pensões. É, não tem jeito, foi um imenso prazer te comer, baby, mas depois de hoje never more.

- Deixa eu pensar no assunto com calma por um tempo. Você continua tomando a pílula, né?

- Er... eu queria te contar isso também, parei tem uma semana.

- Caralho! E você me conta só agora, depois de tudo o que a gente fez aqui no motel?

- Eu tô contando agora. Mas se você quiser amanhã eu tomo a pílula do dia seguinte.

Vadia. Biscate. Não era uma versão do 'antes' que ela tava me empurrando e sim uma do 'já é'. Muito bonito. Eu fodendo ela e ela me fodendo. Desgraçada. Ainda bem que o que ela tem de boa ela tem de burra. Bem que eu tava desconfiado quando acordei hoje. Meu santo é forte. Bendita hora em que comecei a praticar aqueles exercícios tântricos com o períneo. Gozar sem ejacular. Depois de algumas semanas praticando hoje consegui me concentrar bem. Nem uma gota. Tudo guardadinho. Salve Brama! E ainda vou me dar bem. Quer apostar?

- Ok, morena, tudo bem, você venceu essa. Mas você vai ter que me recompensar. Pega aquele tubinho azul ali em cima do frigobar. Isso, o que tá escrito vaselina. Quero fazer aquilo que você nunca deixou até agora. E não vou aceitar um não como resposta. Se eu tô fazendo o que você quer o mínimo é você fazer o que eu quero também, não é justo?

E o bom é que nem vou precisar do exercício tântrico.

Mera Decoração

Usar livros só como objetos decorativos é exclusividade dos cérebros decorativos.  (JLM)
Clique na imagem para vê-la maior.

Censo de livros adquiridos em 2012

Nada melhor que juntar dois ou mais vícios. Ou pior.

Que eu sou comprador compulsivo de livros é algo que toda a torcida do Brasiliense Futebol Clube sabe. Que gosto mais do que qualquer ser humano normal em fazer gráficos tá evidente para quem visita o blogue no começo de cada ano (se é que alguém vem aqui além de mim, claro). Então, para controlar ficar de quatro extravasar os meus vícios, comecei em 2011 a relacionar os livros que comprei, ganhei e troquei no ano, só para saber o quanto de prejuízo tive e dei aos outros com essa brincadeira.


COMPRAS: Em 2012, gastei a mísera quantia de R$ 4.181,60 em 144 livros. Um aumento de R$ 2.365,00 e 33 livros em comparação a 2011. Mas calma, não sou tão rico assim para conseguir gastar tanto sem que faça uma tremenda falta no fim do mês (quase R$ 350,00 mensais). Acontece que muitos destes  foram revendidos, e diga-se de passagem, muito bem revendidos, obrigado. Mas falarei disso depois. Por ora, destaco algumas boas compras do ano: a Coleção Literatura Ibero-Americana, da Folha de São Paulo, com 25 livros de autores latinos; muitos exemplares da Coleção 64 Páginas, da L&PM, com bons textos para experimentar pela primeira vez autores clássicos; completei os números que faltavam da revista de contos Arte e Letra: Estórias, da Arte e Letra (agora é só esperar os que virão por assinatura); consegui os 4 volumes da Obra Completa de Jorge Luis Borges, da Globo, por um preço justo, já que encontra-se esgotada. Outros livros, que já estava de olho faz tempo, encontrei por boas pechinchas: O Clube da Luta, Deuses Americanos e Os Irmãos Karamazóv. Até mesmo o Skoob aumentando o valor do crédito de R$ 4,50 para R$ 9,90 ainda consegui encontrar livros valendo bem mais pelo que estavam sendo oferecidos. É inacreditável o número de pessoas que desconhecem o valor dos livros que têm. Por causa disso, acabo comprando religiosamente os 2 ou 3 créditos que o Plus me disponibiliza todo mês. Vai por mim, é um baita negócio.

TROCAS: Se em 2011 o Plus do Skoob era uma novidade, em 2012 ele se consolidou como a principal ferramenta de trocas (e de compras) da internet brasileira. O finado Livra Livro perdeu terreno ao estipular incontáveis regrinhas chatas deixando muita gente encalhada com créditos sem ter opções pelo menos razoáveis do que solicitar. O Trocando Livros deu uma reformulada no visual, mas sentiu o baque da concorrência forte. Um destaque especial para as trocas que fiz dos pontos adquiridos no Cartão de Crédito (Programa Sempre Presente) por vale-compras da Fnac, aonde adicionei mais alguns volumes da coleção luxuosa e cara das Tragédias e Comédias Gregas, da Jorge Zahar. Dei algumas bobeiras de iniciante no começo, mas agora aprendi a usar bem a troca de pontos. Quase completei a saga Plantagenetas, da Bestbolso, e as duas novas séries do Rick Riordan: As Crônicas dos Kane e Heróis do Olimpo. Consegui trocar Emmanuel Carrère, Sarah Waters, Cormac MacCarthy, José Cândido de Carvalho, Jostein Gaarder, Luis Fernando Verissimo e Richard Matheson. E raridades como a Poesia Completa de Mário Quintana, da Nova Aguilar, Ulisses, do James Joyce, da Record, a HQ V de Vingança em 2 volumes, da Via Lettera. Tudo no mano-a-mano.


VENDAS: Como não anotei no ano anterior o que vendi, 2012 foi o primeiro ano que descobri se sou bom vendedor de livros, vulgo livreiro. Pois tire as suas próprias conclusões: Comprei 144 livros e gastei R$ 4.181,60 (média R$ 29,04/livro). Destes, vendi 56 ganhando R$ 3.772,38 (média R$ 67,36/livro). Por fim, terminei gastando apenas R$ 409,22 e aumentando a minha biblioteca em 88 livros (média R$ 4,65/livro). Resumindo: comprei barato e vendi caro. E como uma das minhas metas pessoais era não ultrapassar os gastos mensais em R$ 50,00, ou R$ 600,00 anuais, as vendas me ajudaram a cumpri-la com folga. Vale salientar que vendo livros não somente objetivando o lucro, mas para desocupar espaço nas minhas estantes. E pratico a arte (e sacrifício) do desapego pretendendo manter comigo poucos livros, os raros, os caros e os que releio sempre, conforme já havia estipulado no post "O que leva você a comprar um livro?". Como resolução para 2013 quero ver se compro menos livros para ler (já tenho muitos), mas mantenho as compras dos para revender.

PRESENTES: Ganhei 11 livros de amigos secretos ou promoções e doei apenas 3. Estatística irrelevante, pois prefiro vender um livro para alguém que vá lê-lo que doá-lo a alguém que não o fará.


Em 2011, dos 181 livros adquiridos li 66. Em 2012, dos 249 li 65. Mantive a média mas não a proporção. Isso se dá porque resolvi desenterrar a leitura de livros adquiridos há mais tempo, como os da Coleção Biblioteca Folha 2003, que não só finalizei como já os coloquei à venda. Quero ver se leio os livros mais antigos que tenho na estante, por questão de deterioração dos exemplares e liberação de espaço. E porque todo livro comprado merece ser lido. Ou vendido para outro que o leia, né? Acho que vou começar a campanha "Livros: leia ou deixe-os ir embora!".

Para os que quiserem ver a lista completa de aquisições literárias em 2012, segue abaixo.

Filmes e séries vistos em 2012

Em 2011 comecei a listar os filmes e séries que assistia assim como já fazia com os livros que lia. Além de ficar evidente a minha tara por listas, considero interessante para mensurar o quanto eu vi e quanto disso foi proveitoso. Em 2012, coloquei como meta apenas focar em filmes cuja nota fosse acima de 6.0 no site americano IMDB. Descobri que, apesar dos filmes com boas notas se aproximarem muito do meu gosto pessoal, há exceções de filmes e séries que só norte americanos são capazes de gostar. Mas acabei não olhando muito para a nota nas estreias. Em comparação entre os 2 anos, vi uma série e 22 filmes a mais.


Este ano incluí a classificação dos filmes e séries que vi (não sei porque raios não dei notas em 2011 já que em 2010 havia feito isso), para analisar se me saí bem nas escolhas cinematográficas. Se somar as 3 notas melhores (excelente, muito bom e bom) atingi 74% de boas pipocas. Digamos que foi um tempo bem gasto então.


Para quem quiser acompanhar as minhas apostas em 2012, segue a lista completa.

Leituras em 2012

Como faço todos os anos, vou levantar algumas impressões que tive sobre minhas leituras. O ano que passou me trouxe bons livros e autores, como já era de se esperar. Parece que com a prática acabamos melhorando instintivamente nossas apostas do que iremos apreciar. É claro que li alguns livros para cumprir a meta de finalizar toda a Coleção Biblioteca Folha 2003, e o único livro que realmente não gostei saiu daí, embora fosse um clássico. Mas, c'est la vie!

Comecemos pela quantidade, que mesmo não colocando como meta, ultrapassei 2011 em 10 livros. Porém, como aumentei o número de livros lidos se minha média de páginas lidas por dia (ppd) diminuiu de 67 para 63? Bem, provavelmente porque li mais livros com menos páginas, o que seria uma boa técnica Gameshark para aumentar a quantidade de leituras, se fosse intencional. Mas não. Em 2012 a L&PM lançou a Coleção 64 Páginas com boas opções aos neófitos e em que conheci os excelentes Balzac, Tolstói, Bukowski e o Marquês de Sade. Há também alguns livros de teatro e filosofia gregos que são pequenos, embora contem como obras distintas.


As estatísticas 2012 ficaram assim:
  • 128 livros
  • 22.790 páginas
  • Média de 11 livros por mês; 3 por semana
  • Média de 1.900 páginas por mês; 475 por semana; 63 por dia
Para 2013 prevejo uma queda na quantidade de livros por causa da minha resolução literária de ler um livro acima de 500 páginas por mês. A conta é simples, enquanto ler 50ppd, quanto maiores os livros que ler menos livros lerei (fórmula inversa a de 2012). Mas não é algo que me preocupe, qualidade primeiro.

E falando em qualidade, as classificações que fiz ajudaram a descobrir quanto do que li me agradou ou não. Como havia mencionado nas Leituras em 2011, acrescentei em 2012 a nota muito bom, para os livros que estariam entre bons nem excelentes. Se em 2011 somando excelentes e bons li 92, em 2012 somando excelentes, muito bons e bons alcancei os 95, mantendo a média das leituras que me agradaram. É interessante notar que os livros nota ruim caíram de 7 para 1, o que considero uma evolução já que a vida é curta para perdermos tempo com livros que não gostamos.



A média de literatura brasileira caiu de 40% para 23%, ficando próximo aos 25% que me auto estipulei. Dos 128, 16 livros foram emprestados; 5 foram para o extinto Clube de Leitura Meia Palavra; 5 foram ebooks; 12 foram HQ's; 9 foram exemplares da Revista de Contos Arte e Letra Estórias; 7 foram releituras. Contudo, diferente de 2011, esse ano não vou detalhar os livros que li por estilos, pois isso toma muito tempo por ser feito manualmente enquanto as continhas acima levam apenas meia hora no Excel. E tempo é algo que prefiro gastar lendo. CYA!

Para quem tiver paciência ou curiosidade, eis a lista de todos os livros lidos:

O Direito e a Literatura

Como um eterno estudante de Direito, nada mais culturalmente inútil do que elaborar a lista dos grandes escritores da humanidade que se formaram em Direito. Mas atenção: não são simples bacharéis que escreveram um livro ou outro, principalmente na área do Direito, senão a lista seria gigantesca. Trata-se dos que escreveram livros considerados literatura universal. Prentendo atualizar a lista constantemente e se você quiser colaborar basta deixar um comentário com a sua indicação. A lista está em ordem alfabética, com indicação do lugar e época em que o escritor vive(u), a profissão ocupada relativa ao Direito e referências para consulta.
  1. Ariano Suassuna (Brasil, 1927-) - advogado, professor - Ref. #1
  2. Augusto dos Anjos (Brasil, 1884-1914) - professor - Ref. #1
  3. Bernardo Guimarães (Brasil, 1825-1844) - juiz, professor - Ref. #1
  4. Cícero (Roma, 106-44 a.C) - advogado, orador, político - Ref. #1
  5. Clarice Lispector (Brasil, 1920-1977) - Ref. #1
  6. Franz Kafka (Tchecoeslováquia, 1883-1924) - advogado - Ref. #1
  7. Gonçalves Dias (Brasil, 1823-1864) - professor - Ref. #1
  8. Graça Aranha (Brasil, 1868-1931) - juiz, diplomata - Ref. #1
  9. Gregório de Matos (Brasil, 1623-1696) - juiz, procurador, desembargador - Ref. #1
  10. Hilda Hilst (Brasil, 1930-2004) - Ref. #1
  11. Honoré de Balzac (França, 1799-1850) - Ref. #1
  12. João Ribeiro (Brasil, 1860-1934) - Ref. #1
  13. João Carlos Marinho (Brasil, 1935-) - advogado - Ref #1
  14. Jorge Amado (Brasil, 1912-2001) - deputado federal - #1
  15. José Cândido de Carvalho (Brasil, 1914-1989) - advogado - Ref. #1
  16. José de Alencar (Brasil, 1829-1877) - deputado, ministro da justiça - Ref. #1
  17. Johann Wolfgang von Goethe (Alemanha, 1749-1832) - Ref. #1
  18. John Luther Long (EUA, 1861-1927) - advogado - Ref. #1
  19. Liev Tolstói (Rússia, 1828-1910) - Ref. #1
  20. Lygia Fagundes Telles (Brasil, 1923-) - procuradora do IPESP - Ref. #1
  21. Louis Begley (Estados Unidos, 1933-) - advogado - Ref. #1
  22. Luiz Antonio de Assis Brasil (Brasil, 1945-) - advogado - Ref. #1
  23. Manoel de Barros (Brasil, 1916-) - advogado - Ref. #1
  24. Mario Vargas Llosa (Peru, 1936-) - Ref. #1
  25. Monteiro Lobato (Brasil, 1882-1948) - advogado, promotor - Ref. #1
  26. Montesquieu (França, 1689-1755) - presidente da Câmara - Ref. #1
  27. Murilo Rubião (Brasil, 1916-1991) - Ref. #1
  28. Robert Louis Stevenson (Escócia, 1850-1894) - Ref. #1
  29. Rubem Fonseca (Brasil, 1925-) - comissário de polícia - Ref. #1
  30. Ruy Barbosa (Brasil, 1849-1923) - advogado, jurista, diplomata - Ref. #1
  31. Sêneca (Roma, 4 a.C.-65 d.C.) - advogado - Ref. #1 #2
  32. Stanislas de Rhodes (Inglaterra, 1857–1932) - advogado - Ref. #1
  33. Tobias Barreto (Brasil, 1839-1889) - professor - Ref. #1
  34. Vinicius de Moraes (Brasil, 1913-1980) - diplomata - Ref. #1
  35. Wallace Stevens (EUA, 1879-1955) - advogado - Ref. #1
Os que iniciaram o curso, mas não concluíram:
  1. Álvares de Azevedo (Brasil, 1831-1852) - Ref. #1
  2. Castro Alves (Brasil, 1847-1871) - Ref. #1
  3. Coelho Neto (Brasil, 1864-1934) - Ref. #1
  4. Fagundes Varella (Brasil, 1841-1875) - Ref. #1
  5. François Rabelais (França, 1484-1553) - Ref. #1
  6. Gabriel García Marquez (Colômbia, 1927-) - Ref. #1
  7. Gustave Flaubert (França, 1821-1880) - Ref. #1 #2
  8. Marcel Proust (França, 1871-1922) - Ref. #1 #2
  9. Olavo Bilac (Brasil, 1865-1918) - Ref. #1
  10. Paulo Mendes Campos (Brasil, 1922-1991) - Ref. #1
  11. Rabindranath Tagore (Índia, 1861-1941) - Ref. #1

Aforismos - Dezembro 2012

Escolha qual você gostou mais. Todos escritos por Jefferson Luiz Maleski. Se quiser replicar algum deles, só peço para que mencione a autoria, ok?

O passado é um sonho que deixa sequelas quando acordamos.

A internet é o ponto de encontro ideal dos entendidos em porra nenhuma. Porém, não culpe o serrote se os usuários o usam do lado errado.

Todos os vícios podem nos tornar melhores; se observados, refletidos e dominados.

Na internet, tudo o que você teclar pode e será usado (erroneamente) contra você. Resultado da oferta de comunicação antes do conhecimento.

Borboletas são lagartas que saíram do armário.

As mulheres só não acreditam nos homens quando eles dizem a verdade.

Uma lei da natureza: tudo o que não é usado definha.

Os reservas do SPFC são foda. Mas também, treinam quase todo dia contra um dos melhores times do Brasil: os titulares do SPFC.

Filmes & Séries Vistos - Dezembro 2012


23 filmes

257. os sete samurais (shichinin no samurai) - japão, 1954 - excelente 
258. the baytown outlaws - eua, 2012 - excelente 
259. a guerra dos botões (la nouvelle guerre des boutons) - frança, 2011 - muito bom 
260. perigo por encomenda (premium rush) - eua, 2012 - muito bom 
261. extracted - eua, 2012 - bom 
262. uma noite na ópera (a night at the opera) - eua, 1935 - muito bom 
263. deus da carnificina (carnage) - reino unido/irlanda, 2011 - bom 
264. a estranha vida de timothy green (the odd life of timothy green) - eua, 2012 - excelente 
265. um divã para dois (hope springs) - eua, 2012 - regular 
266. reis e ratos - brasil, 2012 - regular 
267. the man with the iron fists - eua, 2012 - regular 
268. a escolha perfeita (pitch perfect) - eua, 2012 - bom 
269. nascido para matar (full metal jacket) - grâ-bretanha/irlanda, 1987 - bom 
270. as palavras (the words) - eua, 2012 - bom 
271. kick-ass: quebrando tudo - eua, 2010 - excelente [re-visto] 
272. brilho eterno de uma mente sem lembranças (eternal sunshine of the spotless mind) - eua, 2004 - excelente [re-visto] 
273. madagascar 3: os procurados 3D - eua, 2012 - bom [re-visto] 
274. busca implacável 2 (taken 2) - eua, 2012 - bom 
275. dredd - eua, 2012 - bom 
276. as vantagens de ser invisível (the perks of being of a wallflower) - eua, 2012 - muito bom 
277. indomável sonhadora (beasts of the southern wild) - eua, 2012 - ruim 
278. homeland: 2ª temporada [série] - eua, 2012 - excelente 
279. dexter: 7ª temporada [série] - eua, 2012 - excelente

Encerro aqui a minha lista de filmes e séries vistos em 2012.