Cotidiano não é só uma música

6h00 AM. Abro os olhos.

Levantar. Mijar. Olhar para o espelho e perceber que a cara ainda tem o formato de um travesseiro. Tomar banho. Me enxugar olhando no espelho. As costas não alcanço mais. Fazer pose murchando a barriga. Estou ficando velho. Pentear os cabelos. Lembrar de comprar xampu para queda de cabelos. Estou ficando careca. Fazer a barba. Colocar pedacinhos de papel higiênico nos cortes. Escovar os dentes. Passar o desodorante Axe que a Janaína comprou. Não tenho o cheiro que eu quero, tenho o que ela quer. Vestir o uniforme azul dobrado sobre a cama. Desbotado mas asseado. A meia tem um remendo no dedão. O cheiro de café me leva à cozinha. Janaína termina de pôr a mesa, me dá um beijo e volta dormir. Como duas fatias de pão com margarina e café preto doce. Doce como Janaína. Antes de sair passo quieto pelo corredor e observo Janaína dormindo. No quarto ao lado, o Júnior atravessado na cama. Não compensa arrumá-lo, daqui a pouco ele levanta para o colégio.

No ponto de ônibus venta. Há pelo menos dez pessoas quando chego. Trabalhadores como eu. Estudantes como o Júnior. O ônibus chega lotado. Mas sempre cabem mais dez. No começo vou espremido perto da porta. Como meu destino é mais longe, vejo as pessoas descerem e o ônibus esvaziar. E colegas com uniformes iguais subirem. Mas não converso, pois dá tempo de tirar uma soneca me encostando no vidro da janela.

Bater o ponto. Pegar com a Marlene as Ordens de Serviço do dia. Catorze. Dia longo. Visto os apetrechos de segurança e entro no caminhão com outros três. Rua das Dores, número 513, Vivian Parque. Na OS aparece que uma reclamação foi feita ontem a noite e solicitaram urgência no problema. Estavam certo. Um cano entupiu e fez com que o esgoto voltasse para a superfície. Casas e ruas cheias de merda. O mau cheiro eu já acostumei. O que não acostumei foi com os moradores brigando conosco, como se nós fossemos culpados pela merda deles. É preciso acionar a escavadeira. Uma hora depois ela chega e começa a cavar. A água da região é cortada e a rua fechada. A merda não, pois mesmo sabendo que estamos trabalhando o povo não para de cagar. Dentro do buraco, descubro que três canos precisam ser trocados. Uma hora depois, os canos chegam, mas aí já é hora do almoço. Subimos no caminhão e vamos comer à uma quadra dali. O povo não entenderia porque temos de parar o serviço para comer. Eles nunca entendem. No marmitex de hoje veio ovo frito no lugar da salada. Gosto de ovo. Comemos na calçada, longe das pessoas que não entendem como suportamos comer com aquele fedor em nossas roupas. Sobra tempo para o Raul e o Pezão discutirem sobre uma candidata política. Eu prefiro observar um pombo seco atropelado jogado perto do meio-fio. Voltamos ao serviço. Cavar. Tirar o cano. Botar o cano novo. Tapar o buraco. Religar a água e ver no que dá. Tudo certo. Agora só faltam treze chamados.

No ponto de ônibus faz calor. Há pelo menos dez pessoas quando chego. Trabalhadores como eu. Estudantes como o Júnior. O ônibus chega lotado. Mas sempre cabem mais dez. No começo vou espremido perto da porta. Como meu destino é mais longe, vejo as pessoas descerem e o ônibus esvaziar. Dos colegas com uniformes iguais eu sou o último a descer. E não converso, porque ninguém chega perto de mim por causa do cheiro. Tiro uma soneca me encostando no vidro da janela.

Jogar a roupa suja na área. Ir de cuecas para o banheiro. O Júnior ri. Tomar banho. Me enxugar olhando no espelho. As costas não alcanço mais. Fazer pose murchando a barriga. Estou ficando velho. Pentear os cabelos. Lembrar de comprar xampu para queda de cabelos. Estou ficando careca. Passar o desodorante Axe que a Janaína comprou.

Sento na frente da tevê para ver o jornal. Mas está passando horário político. Janto engolindo promessas com arroz. Júnior faz a tarefa de casa. Papai, tenho de escrever sobre o seu trabalho. Coloca aí que seu pai é igual a um médico. Enquanto o médico desentope as veias do doente, o seu pai desentope as veias da cidade. O seu pai é o médico das veias da cidade. Ele escreve tudo enquanto Janaína me mostra as contas que precisam ser pagas amanhã. E eu esqueci de pegar o vale. Vamos ter de pagar multa. Ela faz cara de brava, mas faço um carinho e ela me entende. Durmo no sofá vendo a novela das oito. Não sei como chego até a cama.

Esta poderia ser a rotina de qualquer dos meus dias, de qualquer semana, qualquer mês. Mas não hoje, pois hoje é domingo.

6h05 AM. Fecho os olhos e volto a dormir.
Desafio de escrita proposto no Duelo de Escritores em 21.09.2010, com o tema "uma vida perfeita".

Google 4 Doodle Brasil

Você conhece alguma criança ou adolescente que desenha bem? Então olha que oportunidade bacana o Google está promovendo. Mesmo que o jovem não ganhe o primeiro prêmio, pelo menos estará ajudando a plantar uma árvore. E olha que esta não é uma daquelas correntes mentirosas, é um compromisso assumido publicamente pelo Google que pode ser cobrado deles depois.



Doodle 4 Google

* …Toda criança terá uma escola
* …Vamos plantar mais árvores que prédios
* …Os políticos serão super-heróis

E você, o que pensa sobre o futuro do Brasil?
Solte a imaginação e participe da competição Doodle4Google.

Você já reparou que em diversos eventos o Google costuma brincar com o seu logo?
Chamamos esse logo especial de "Doodle".
O Google então decidiu abrir esta brincadeira para estudantes de 6 a 15 anos e permitir que seus desenhos apareçam no lugar do logo.

Esta competição é chamada de Doodle4Goodle e mais de 300 mil alunos já participaram ao redor do mundo.

Agora chegou a sua vez!
Pela primeira vez o logo do Google será desenhado por um estudante brasileiro.

O tema da primeira edição é "O Brasil do Futuro".
Solte a criatividade e desenhe sua versão do logo do Google mostrando o que você espera do futuro do Brasil.

O seu desenho pode parar na página inicial do Google Brasil e você pode ganhar:

* Uma bolsa de estudos de R$ 30 mil reais
* Um computador
* Uma sala Google na sua escola!

Para ajudar-nos na difícil escolha do desenho vencedor, contamos com uma lista de Jurados Especializados na arte de desenhar. Cartunistas e ilustradores consagrados nos ajudarão a escolher os finalistas desta competição e participarão da cerimônia de premiação em Dezembro.

Para saber como participar, acesse a opção "Como Participar" do menu ao lado.
Além de ter o seu desenho na página inicial do Google Brasil, nós também teremos alguns prêmios muito especiais para o ganhador e sua escola. Saiba mais na opção "Regras e Prêmios".

Ao participar você e o Google ajudam a construir o futuro do Brasil pois cada desenho recebido, vamos plantar uma árvore*.

* até 100 mil árvores
Para maiores detalhes, visite a página do Doodle 4 Google Brasil.

Destaques da 37ª semana de 2010

1. Uma propaganda muito bem bolada e divertida no Youtube, no Canal tipperexperience, com vídeo interativo NSFW. A hunter shoots a bear, ou Um caçador atirando no urso. O vídeo torna-se interativo após a resposta que você dá a pergunta que aparece na tela, se o caçador deve ou não atirar no urso. Depois, teste alternativas para que o caçador ao invés de caçar, faça outras coisas com o urso. Use verbos em inglês, como kiss, eat, drink, sleep, run, wash, call, smile, fight, dance, sing, cuddle, fuck, suck etc. para ver as animações extras.



2. Season Finale da 2ª temporada da série Lie to Me. Esta temporada teve altos e baixos, mas na média foi melhor que a primeira. Destaques para os episódios em que o Dr. Lightman vai ao Afeganistão (epi. 8, Secret Santa), o assassinato que ocorre no Campeonato de Pôquer em Las Vegas (epi. 9, Fold Equity) e o em que o homem-trator-bomba para o centro da cidade (epi. 10, Tractor Man).


3. Estreia da série Nikita, uma nova cara para a série e filmes dos anos 90. Posso dizer que o 1º episódio me surpreendeu no final, e o 2º meio que já define muito a personalidade dos principais personagens da trama. Destaque para, além de Nikita, Alex, interpretada pela atriz de belos olhos Lindsy Fonseca, que já havia me conquistado em Kick-Ass.

Destaques da 36ª semana de 2010

1. O trailer da novíssima série de TV baseada nos quadrinhos The Walking Dead, ou Os Mortos-Vivos. A série tem estreia mundial marcada para novembro deste ano.



2. Dica de filme para a semana: Resident Evil 4: Afterlife. Ver Alice, Chris e Claire Redfield brigando juntos contra Wesker é muito bom, alta nostalgia dos jogos de Playstation. A escolha do ator Wentworth Miller (o Michael Scofield de Prison Break) para o papel de Chris caiu superbem. Para quem não sabe do que estou falando, veja o trailer da película.

Coleção Folha Livros que mudaram o Mundo


Ai, ai, ai, essas coleções detonam completamente o meu salário. Talvez quando lançarem alguma coleção em que nenhum livro me interesse daí sim estarei curado do meu vício. Até lá, eis mais uma coleção com 20 livros que revolucionaram de algum modo o pensar mundial, em diferentes áreas. E o melhor: é made by Folha de São Paulo. Cada volume semanal sai por R$ 15,90, sendo que se alguém optar por comprar a coleção inteira no site da Folha ganha quatro exemplares, ou então baixando o preço para R$12,72. E ainda parcela em seis vezes no Cartão. Resultado: MIFU. Os livros são:
  1. A Origem das Espécies, Darwin
  2. O Príncipe e Escritos Políticos, Maquiavel
  3. A Interpretação dos Sonhos, Freud
  4. Riqueza das Nações, Adam Smith
  5. Apologia a Sócrates, O Banquete e Fedro, Platão
  6. Discurso sobre o Método e Princípios da Filosofia, Descartes
  7. A Utopia, Thomas More
  8. A Metafísica dos Costumes, Kant
  9. Principia - Princípios Matemáticos da Filosofia Natural, Isaac Newton
  10. O Livro Vermelho, Mao-Tsé Tung
  11. A Política, Aristóteles
  12. Confissões, Santo Agostinho
  13. O Capital, Karl Marx
  14. Do Contrato Social, Rousseau
  15. Pensamentos, Pascal
  16. A Democracia na América, Alexis de Tocqueville
  17. Cândido ou O Otimista, Voltaire
  18. Bíblia Sagrada
  19. Alcorão Sagrado
  20. Discursos que mudaram o Mundo, Vários Autores
O que mais me chamou a atenção é que grande parte dos títulos acima eu já tenho, mas são edições de bolso de uma certa Editora aí que costuma plagiar muitas obras. É a oportunidade perfeita para eu renovar a minha biblioteca com traduções atuais e que me deixem tranquilo de não estar prejudicando o trabalho de nenhum tradutor brasileiro.

A Estrela do Jordão Órgão dos Anjos, da Côrte de Santa Dica

Perto da venda, na beira da estrada empoeirada, debaixo de uma gameleira o velho observava os meninos chutarem uma velha bola de couro tentando marcar gols entre as traves de um colchete aberto. Era uma correria só e apesar do calor seco de agosto os meninos não paravam. Foi assim a tarde toda, pois era sábado e não tinham aula, até que o dono da bola montou em sua bicicleta e se foi embora, faceiro por ter marcado quatro gols. Sem a bola de couro no chão e com a bola de fogo no céu indo embora também, Bento, o último dos peladeiros, aproximou-se e sentou em frente ao velho. Observou calado este enrolando o fumo grosso na palha fina com cuidado até a perfeição para depois acender com um palito de fósforo o cigarro manualmente produzido. O cheiro forte entrou nas narinas de Bento quando o velho deu a primeira baforada e olhou para ele. Não era preciso dizer palavra, ambos sabiam que havia chegado a hora.

- Qual causo o sinhô vai contá hoje, vô?

- Quar ocê quer que eu conte: o do romãozinho, o do negro d’água ou o do pé-de-garrafa?

- Essas não vô, conta uma diferente. Uma de verdade.

- Todas elas são verdade, meu fii. – respondeu o velho antes de dar outra baforada.

- Tá, mas conta uma história que alguém daqui viu e não uma que contaram que outro contou que outro contou e não dá pra saber donde veio.

O velho enfiou a mão no bolso e tirou a boceta onde guardava o fumo. Em um compartimento à parte, pegou um caroço de milho e mostrou à frente dos olhos do garoto.

- Tudo bom então vô contá a história desse caroço de milho que trago comigo faz muito tempo e de como ele prova um milagre que eu vi acontecer.

- Mesmo?

- Sim, com estes olhos que a terra há de comer. Você já ouviu a história da santa guerreira?

- O senhor fala da Santa Dica? Só escutei a professora falando que ela era muito conhecida antigamente. Ela era santa mesmo, vô? Você conheceu ela?

- Ê, meu fii, seu avô fez bem mais que conhecer a Benedita, o seu avô foi o principal capataz dela na época em que gente do Brasil todo vinha em romaria pedir milagre dela. Era um mundão de gente que não acabava mais. Todos tinham ficado sabendo da menina que voltou dos mortos depois de três dias, igual o Nosso Senhor. Eu era um mulecote como ôce naquela época mas lembro ainda de tudo. Chegava gente doente e saía gente curada. O pai da Dica era cumpadre do meu pai, que prometeu que eu ajudaria a cuidar dela quando ela ficou mocinha. E eu aceitei, senão seria só pegar na enxada o tempo todo. Assim, eu mudei pra casa da Dica ainda novo, assim como muita gente que chegava e ficava por estas bandas. Tudo ia bem até os coroner começar a ter ciúmes da Santa, Bento. Ela tinha umas ideias boas até, dizia que a terra é de Deus e que deveria ser de todos e queria criar, mas que os chefão daquela época não gostava nem um pouco. Os padre também não gostava quando ela fazia milagres, rezava as missa e conversava com os espírito do Doutor Fritz, da Princesa Silveira e do Comandante. Diziam que ela tava endemoniada. Não demorou muito tempo pro Governador mandar as tropas prenderem a Santa e acabarem com o movimento que eles chamavam de insurreição contra a República.

- E o que aconteceu, vô, eles mataram a Santa?

- Mas o quê, meninu! A Santa não podia ser matada não. Eu mesmo vi com esses olhos quando o pelotão todo disparou contra a casa da Dica, as balas que acertavam ela, enrolavam nos seus cabelos compridos e rolavam por ela até chegarem ao chão. E ela sorria naquela noite como se o próprio Pai estivesse segurando a sua mão. Mesmo assim, as balas acertaram três dos nossos. Quando ela viu que não conseguia proteger todo mundo dos soldados, mandou o povo todo atravessar o Rio do Peixe, que passava atrás da casa dela. Depois, pegou uma sucuri enorme e amarrou no banhado perto do rio pros soldados não atravessassem o rio tamém. Os soldados ficaram bestas vendo aquilo e não teve um com coragem de pisar no banhado. E ficaram mais bobos ainda quando viram ela atravessando o rio andando em cima das águas, igualzim Nosso Senhor fez.

- Então todo mundo escapou dos sordado?

- Infelizmente não, tinha outro tanto do outro lado do rio só esperando a gente chegá. A Dica foi presa, mas não durou muito tempo na cadeia porque o povo quis ela solta.

- E aí acaba a história, vô?

- Acaba não, meu fii, ainda tem as guerra que a gente lutou pra Santa em Sumpaulo e em Minas, contra a Revolução de 32, depois contra a Coluna Prestes. Eu era um dos soldados da Santinha que o povo chamava de “pé com palha e pé sem palha”. Graças as bênçãos dela nenhum homem que lutava por ela morreu. A gente atravessava ponte cheia de mina, de olhos vendados e nada acontecia. Quando as balas dos inimigos batiam na gente, advinha no que elas viravam?

O menino arregalou os olhos enquanto olhava para aquilo que o velho ainda segurava na mão.

Desafio de escrita proposto no Duelo de Escritores de 01.09.2010 com o tema "folclore brasileiro".

Análise literária de Crepúsculo

Um trecho da excelente palestra-show de Raphel Draccon analisando alguns erros e acertos(?) do livro e roteiro do filme Crepúsculo.



Fonte: Sedentário & Hiperativo

Sound of the Silence, de Simon e Garfunkel



The Sound Of Silence
Simon & Garfunkel
Composição: Paul Simon

Hello darkness, my old friend,
I've come to talk with you again,
Because a vision softly creeping,
Left its seeds while I was sleeping,
And the vision that was planted in my brain
Still remains
Within the sound of silence.

In restless dreams I walked alone
Narrow streets of cobblestone,
'Neath the halo of a street lamp,
I turned my collar to the cold and damp
When my eyes were stabbed by the flash of a neon light
That split the night
And touched the sound of silence.

And in the naked light I saw
Ten thousand people, maybe more.
People talking without speaking,
People hearing without listening,
People writing songs that voices never share
And no one dared
Disturb the sound of silence.

"Fools" said I, "You do not know"
Silence like a cancer grows.
Hear my words that I might teach you,
Take my arms that I might reach you."
But my words like silent raindrops fell,
And echoed
In the wells of silence

And the people bowed and prayed
To the neon god they made.
And the sign flashed out its warning,
In the words that it was forming.
And the sign said, "The words of the prophets are written on the subway walls
And tenement halls."
And whisper'd in the sounds of silence.



O Som do Silêncio

Olá escuridão, minha velha amiga
Eu vim para conversar contigo novamente
Por causa de uma visão que se aproxima suavemente
Deixou suas sementes enquanto eu estava dormindo
E a visão que foi plantada em meu cérebro
Ainda permanece
Entre o som do silêncio

Em sonhos agitados eu caminho só
Em ruas estreitas de paralelepípedos
Sob a auréola de uma lamparina de rua
Virei meu colarinho para proteger do frio e umidade
Quando meus olhos foram apunhalados pelo lampejo de uma luz de néon
Que rachou a noite
E tocou o som do silêncio

E na luz nua eu vi
Dez mil pessoas talvez mais
Pessoas conversando sem falar
Pessoas ouvindo sem escutar
Pessoas escrevendo canções que vozes jamais compartilharam
Ninguém ousou
Perturbar o som do silêncio

"Tolos," eu disse, "vocês não sabem"
O silêncio como um câncer que cresce
Ouçam minhas palavras que eu posso lhes ensinar
Tomem meus braços que eu posso lhes estender"
Mas minhas palavras
Como silenciosas gotas de chuva caíram
E ecoaram no poço do silêncio

E as pessoas curvaram-se e rezaram
Ao Deus de néon que elas criaram
E um sinal faiscou o seu aviso
Nas palavras que estavam se formando
E o sinal disse, "As palavras dos profetas estão escritas nas paredes do metrô
E corredores de habitações"
E sussurraram no som do silêncio

Destaques da 35ª semana de 2010

1. Terminei a primeira temporada da série Sherlock (Inglaterra, 2010), com apenas três episódios de 1h30 cada. A série traz o detetive criado por Sir Arthur Conan Doyle adaptado para os dias atuais, utilizando-se de tecnologias como SMS, internet e outras mais. Falando assim até parece que acabariam com toda a graça do personagem, mas aí é que entra o detalhe: a produção é da da BBC One, que não costuma errar em suas produções. E não errou! O primeiro episódio é perfeito, o segundo dá uma caída mas o fôlego retorna no terceiro para dar o gancho para a próxima temporada, botando cara a cara Sherlock e seu arquiinimigo Moriarty em um duelo mortal. Veja o trailer e comprove.



2. Também foi a semana em que começou mais um livro para o Clube de Leitura Meia Palavra. O 15º livro lido e debatido semanalmente é o Madame Bovary, do francês Gustave Flaubert. O livro todo será lido em sete semanas e para quem quiser acompanhar ainda dá tempo. Eu já li as 66 páginas da primeira semana e baixei as três adaptações cinematográficas disponíveis da história.

3. Por causa dos destaques acima encontrei um site que fala exatamente sobre uma de minhas paixões: séries britânicas. Pra quem curte, vale a visita em http://serieuk.blogspot.com. Recomendo dar uma procurada nas séries Luther, Life on Mars, Sherlock, Madame Bovary, Fingersmith e State of Play.

4. Assistindo ao episódio 02x21 de Lie to Me, na música final descobri uma bandinha indie com um som bem melodioso de se ouvir: Lavender Diamond. Ouça abaixo (apesar de ser Youtube o clipe só tem o som) a música que me chamou a atenção. O título da música (I'll Never Lie Again) tem tudo a ver com a série, especialmente com o episódio.



5. Dicas de filmes para a semana: Os Mercenários (The Expendables, 2010), O desaparecimento de Alice Creed (The Disapperance of Alice Creed, 2010) e Burning Bright (2010).

Finalistas ao Prêmio Jabuti 2010

Na semana passada, logo após o Prêmio Portugal Telecom definir os seus finalistas, foi a vez do Prêmio Jabuti divulgar os seus. Pude notar que quatro escritores estão presentes nas listas dos dois prêmios: Chico Buarque, Carlos de Brito e Mello Rodrigo Lacerda e Bernardo Carvalho. E que a única mulher é a estreante Carol Bensimon. Veja abaixo a relação completa dos dez finalistas na categoria romance.

Se Eu Fechar Os Olhos Agora, de Edney Silvestre
Outra Vida, de Rodrigo Lacerda
Leite Derramado, Chico Buarque
Os Espiões, Luis Fernando Verissimo
Golpe de Ar, de Fabrício Corsaletti
Sinuca Embaixo D'água, de Carol Bensimon
O Albatroz Azul, de João Ubaldo Ribeiro
O Filho Da Mãe, de Bernardo Carvalho
A Passagem Tensa Dos Corpos, de Carlos de Brito e Mello
O Boi No Café, de Sérgio Viotti


Como já comentei por aí, aposto as minhas fichas no Edney Silvestre, que parece ser o novo queridinho da vez. Não que isto seja uma crítica, já que ainda não li o livro dele e torço para que, se ganhar, seja por seus méritos literários. Mas também não me surpreenderia se a Carol Bensimon ou o Bernardo Carvalho levassem o cascudo para casa.

Finalistas do Prêmio Portugal Telecom 2010


Na noite de 31/08/2010, foi divulgada a lista dos 10 finalistas ao Prêmio Portugal Telecom de Literatura 2010, após uma seletiva entre 54 obras semifinalistas. Além de ser um dos mais importantes prêmios literários em língua portuguesa, com premiações que variam de 15 à 100 mil reais aos três primeiros colocados, é também uma boa indicação do que vem sendo apontado como o melhor da literatura contemporânea em nossa língua. Confira abaixo os 10 e veja se você já leu algum.
Da lista, eu já li o Chico e o Saramago, mas acho que as obras concorrentes não são o melhor deles. Talvez o júri queira fazer uma homenagem póstuma ao Saramago (o que seria justo por um lado - ele nunca ganhou um PPT - mas injusto por outro - se houver outro livro melhor que o dele), mas fora isto, não acho que nenhum dos dois que li ganhe. Pelo que sei, entre os concorrentes mais fortes, está Bernardo Carvalho que já ganhou em 2003 e 2008.