5 maneiras originais de narrar

Algumas vezes somos surpreendidos não somente pela história que nos é contada, mas também pela forma, pelo modo ou jeito que nos é repassada. Tal arte, a de contar a história de um modo original, pode salvar a história em si, que talvez de outro modo fosse algo banal, desinteressante.

1. Filme O Suspeito (Rendition, 2007) - Duas estórias são contadas paralelamente, a do pai e da filha, e somente no final descobrimos que o lapso temporal das duas não é o mesmo, mas uma é o início da outra. Não sei se esta técnica funcionaria em um livro. As dicotomias certo/errado, burocracia/caráter, inocente/culpado são bem perceptíveis para demonstrar pontos de vista antagônicos.

2. Livro Morte em Veneza (Thomas Mann, 1912) - O personagem principal, Gustav von Aschenbach, é escritor e um pouco de sua personalidade é apresentada ao leitor analisando os livros que ele escreveu.

3. Filme Amnésia (Memento, 2001) - Escreva uma trama policial simples, corte em pedaços (dias) e re-ordene as cenas inversamente. Faça um elo entre os cortes com um ou outro detalhe essencial, e pronto!, passo-a-passo de como contar bem uma história de trás pra frente.

4. Livro O Caso dos Dez Negrinhos (Agatha Christie, 1939) - O estilo mistério onde um grupo de 10 pessoas em uma ilha deserta e inacessível vai morrendo sem descobrirem o assassino. Até o mordomo não escapa. O livro termina com todos mortos, sendo que o último não se suicida. E agora? Ainda bem que há o epílogo. Somente a grande mestra do gênero para solucionar este caso.

5. Filme Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças (Eternal Sunshine of the Spotless Mind, 2004) - Aprimora com bom gosto a sensação do telespectador saber aquilo que o personagem não sabe. Ou sabia e deixou de saber. Maneira interessante de transformar o telespectador em onisciente e recriar um personagem do zero, mesmo numa narrativa linear.
Postar um comentário