Indiana Jones e o Grande Kahuna

Após a violenta queda do bimotor em uma ilha em pleno Oceano Pacífico, os três sobreviventes – o arqueólogo Indiana Jones e os padres jesuítas Wilson e Pierre – caminham em uma floresta densa em busca de algum socorro.

Você está bem, Indiana?

Sim, padre Wilson, só desloquei um pouco o meu ombro esquerdo durante a queda.

Ainda bem, eu nunca iria me perdoar se tivesse acontecido algo a você. Afinal, fui eu quem o convenceu a vir para a Polinésia estudar os Moais da Ilha de Páscoa.

Não se preocupe, padre, estou bem. Mas não posso dizer o mesmo do piloto, que acabou morrendo na queda, apesar de ter nos salvado. Será que estamos na Ilha de Páscoa ou em outra ilha? A neblina estava muito forte e...

Neste instante, são subitamente cercados por selvagens de pele amarelada pintados com faixas e símbolos tribais brancos, vermelhos e negros em seus corpos nus, apontando enormes lanças pontiagudas na direção deles. O ar tornou-se tenso. Contudo, qual não foi a surpresa dos três quando um dos selvagens começa a falar em francês! Segundo o selvagem, um explorador que passara por ali há muitos anos ensinou-lhe algumas palavras da língua quando ele era criança. Assim, deu boas vindas aos visitantes e todos os selvagens os receberam com grande festa, convidando-os para o banquete que aconteceria naquela noite em homenagem ao Grande Kahuna.

Que bom, disse Indiana Jones, estou morrendo de fome.

Nós também, respondeu o selvagem.

Ao chegarem à aldeia, foram recebidos com grande entusiasmo pelos nativos, que corriam ao redor dos forasteiros, passando as mãos em suas roupas e cabelos. O padre Pierre, que era francês, tornou-se o interlocutor do grupo e, após algumas palavras e gestos repetitivos, traduziu algumas palavras do selvagem. Aquela tribo acreditava numa profecia sobre a vinda do Grande Kahuna, que cairia dos céus e habitaria entre os homens, trazendo grande sorte e fartura. Ao verem o avião caindo, os selvagens foram atrás em busca de seu deus e salvador, o Kahuna. Eles acreditavam que um dos três seria Kahuna e os outros dois os servos dele.

Durante o banquete, que corria às mil maravilhas, foram servidos por lindas mulheres, que usavam roupas minúsculas feitas de folhas e trançados. Comeram e beberam à vontade, até que um selvagem com uma máscara grande e sinistra apareceu no meio do grupo gritando e apontando o dedo para os visitantes. O silencio tomou conta de todos. O selvagem tradutor fez uma pergunta ao padre Pierre, que traduziu:

É você o nosso único deus e salvador, o Grande Kahuna, aquele a quem devemos adorar todos os dias de nossas vidas, lhe dando alimentos, mulheres, honra e obediência? São estes outros dois os sacrifícios que trouxe para comermos em sua honra?

NON, respondeu o padre Pierre, e explicou que ele não era o deus de ninguém, mas apenas o servo de outro deus e que de onde vinha não era costume comerem humanos.

Imediatamente, os selvagens o pegaram e jogaram dentro de um grande caldeirão fervente que se encontrava até então encoberto com folhas. Os gritos de dor do padre Pierre deixaram Indiana Jones e o padre Wilson horrorizados.

O selvagem chegou até o padre Wilson que, apesar de não entender nada do que dizia, sabia o que aquelas palavras significavam.

NON, responde também o padre Wilson, não posso cometer este sacrilégio contra o meu Deus e contra os meus amigos.

O padre Wilson também foi atirado sem demora dentro do caldeirão fervente e morreu gritando de dor.

Finalmente, o selvagem fez a pergunta a Indiana Jones.

***

Quatro meses depois, uma equipe de buscas enviada para localizar o paradeiro do bimotor desaparecido encontra uma tribo onde, curiosamente, o líder é um homem branco e americano. Este homem, apesar do chapéu e da jaqueta de couro, traz vários ornamentos feitos de pedras coloridas e de penas de aves. Está rodeado por cinco lindas jovens e por vários recipientes fartos de frutas, carnes e bebidas. Ao conversarem pela primeira vez com aquele que era considerado o Grande Kahuna pelos selvagens, ele responde prontamente:

OUI, OUI, je suis le Grand Kahuna.
Postar um comentário