Édipo Rei, de Sófocles

Compre Édipo Rei[ atualizado em 20/08/2008 ]

Esta é, sem dúvidas, uma das melhores tragédias já escritas pelo homem. O grego Sófocles (495-406 a.C.) sabia como se expressar e provocar sentimentos no leitor levando-o a refletir sobre questões universais. Ele escreveu 123 obras, mas somente 8 chegaram aos nossos dias: Os Sabujos, Ajax, Antígona, As Traquínias, Édipo Rei, Electra, Filoctetes e Édipo em Colono. Sófocles é considerado o sucessor de Ésquilo e o último dramaturgo do período áureo de Atenas. As suas obras foram escritas em forma de peças teatrais. As sequências de Édipo Rei são Antígona e Édipo em Colono, comentadas posteriormente. Já as versões alternativas da história são Os Sete Contra Tebas (Ésquilo) e As Fenícias (Eurípedes).

O mito do filho amaldiçoado pelo destino a matar o pai e a se casar com a mãe foi citado desde Aristóteles, Foucauld até os mais diversos pensadores, clássicos ou contemporâneos. É uma das histórias mais conhecidas graças ao seu uso pela psicanálise de Freud como fundamento da psiquê humana. Mas a história vai além de Freud, pois mexe em algo nas profundezas de nosso ser. Provoca sentimentos e tabus, compaixão e revolta, e faz repensar a obstinação e o orgulho. Sófocles provoca as bases de duas crenças defendidas hoje em dia como axiomas.

Primeiro, enquanto a maioria crê poder decidir o seu próprio futuro, para Édipo é impossível fugir do que foi traçado pelos deuses e pelo destino. Somos levados a nos perguntar: Se tudo em nossa vida já esta pré-determinado, para que serve o livre-arbítrio? Independente de nossas escolhas, sempre iríamos acabar no ponto exato destinado a nós. Livre-arbítrio e destino são idéias incompatíveis? A ideologia dos humanos serem marionetes do destino foi usada, e muito, para justificar o domínio de uns sobre outros. Se você nasceu pobre, feio, doente ou infeliz é porque os deuses e o destino assim o quiseram e nada que você faça mudará a situação. Mas há aqueles que não são Édipos, e acreditam que fazem os seus destinos. Chova ou faça sol, são obstinado em atingir os seus alvos.

Em segundo lugar, enquanto se ensina que a busca pela verdade e conhecimento é o caminho correto para a felicidade, em Édipo Rei eles levam à desgraça. Édipo e Jocasta viviam felizes na ignorância. Eram amaldiçoados mas não sabiam disso. É o que hoje se discute muito, se o conhecimento torna o homem mais feliz ou não. Os que acreditam que sim defendem que só precisamos ser seletivos quanto ao tipo de conhecimento escolhido, visto que muita coisa é apenas informação inútil ou prejudicial. Lixo.

O desfecho da tragédia leva à uma moral atemporal: "Guardemo-nos de chamar um homem feliz, antes que ele tenha transposto o termo de sua vida sem ter conhecido a tristeza" (pg. 104). A excelente tradução é de Paulo Neves. A seqüência para a leitura das obras relacionadas com a saga edipana seria:

1º - Édipo Rei (escrito em 430 a.C.), de Sófocles;
2º - Os Sete contra Tebas (467 a.C.), de Ésquilo;
3º - As Fenícias (411 a.C.), de Eurípedes;
4º - Édipo em Colono (401 a.C.), de Sófocles;
5º - Antígona (442 a.C.), de Sófocles;

leitura em: Abril 2007
título: Édipo Rei (Oedipus Tirannos), de Sófocles
edição: 1ª, L&PM Editores (2007), Coleção L&PM Pocket nº 127, 104 pgs
preço: Compare no Buscapé
Excelente
Postar um comentário