A Vespa de Peruca (A Wasp in a Wig), de Lewis Carroll

Quando Lewis Carroll escreveu Alice Através do Espelho, o desenhista John Tenniel recusou-se a fazer os desenhos do capítulo "A Vespa de Peruca", pressionando Carroll a abandonar o capítulo inteiro. Este capítulo ficou perdido por mais de 100 anos. Esta semana, foi levada a leilão por quinze mil libras, a carta que Tenniel escreveu a Carroll, em 1870.
Meu Caro Dodgson
Acredito que na cena em que ocorre o salto na ferroviária, você faria muito bem se fizesse Alice usar a barba do bode como o objeto mais próximo de sua mão ao invés do cabelo da velha senhora. O puxão as arremessaria juntas.
Não me considere rude, mas sou obrigado a dizer que o capítulo sobre a vespa não me interessa de jeito nenhum e não vou fazer o desenho. Se você quer encurtar o livro, eu não posso deixar de pensar - com toda humildade - que esta é sua oportunidade.
Na agonia da pressa,
Atenciosamente,
J. Tenniel
Tenniel também teria comentado que "a vespa de peruca é completamente fora do domínio da arte", fazendo com que a opinião atual sobre a omissão do capítulo seja porque ele achava patética tal cena. Porém, há outras opiniões sobre o motivo pelo qual Tenniel recusou o capítulo. Poderia ser porque ele não tinha tempo de fazer outro desenho, pois o seu prazo de entrega para o Punch - periódico para o qual trabalhava - estava acabando. Martin Gardner (The Annotated Alice, 1998, p. 221) sugeriu que talvez fora a crítica da vespa sobre os olhos de Alice que fez com que o caolho Tenniel decidisse não cooperar. O capítulo perdido provavelmente viria logo após o capítulo sobre o Cavaleiro Branco.

A VESPA DE PERUCA (Uma tradução muito simplista do The Times Online)

Ela estava para saltar novamente, quando ouviu um profundo suspiro, que parecia vir da madeira atrás dela.

Algo como um homem muito velho (só que o seu rosto parecia mais com o de uma vespa) estava sentado no chão, encostado em uma árvore, todo encolhido junto dela, e tremendo como se sentisse muito frio.

"Não acho que eu possa útil a ele," foi o primeiro pensamento de Alice, como se ela fosse a primavera sobre um riacho: - "Mas eu vou perguntar-lhe qual é o problema", acrescentou ela, verificando ao redor de si mesma. "Se eu pular mais uma vez, tudo vai mudar, e então eu não poderei ajudá-lo."


Então, ela voltou-se para a Vespa – com indiferença, pois ela estava muito ansiosa para ser uma rainha.

"Oh, meus velhos ossos, meus velhos ossos!" ela estava resmungando quando Alice se aproximou.

"É reumatismo, eu acho", disse Alice para si, e ela se inclinou sobre ele, e disse, muito gentilmente, "Espero que você não esteja sofrendo tanto".

A Vespa apenas sacudiu os ombros e virou a cabeça. "Ah, coitada de mim!" disse para si mesma.

"Posso fazer algo por você?" continuou Alice. "Você não sente mais frio aqui?"

"Como você vai!" disse a Vespa, em um tom impaciente. "Aborrecimento, aborrecimento! Não há tal como uma criança!"

Alice sentiu-se um pouco ofendida com essa resposta, e estava perto de ir andando e deixá-lo, quando pensou consigo mesma "Talvez seja a dor que a deixe tão zangada". Então tentou mais uma vez.

"Você não vai me deixar ajudá-la a voltar para o outro lado? Você ficará fora do vento frio lá."

A Vespa levou o braço, e deixou-a ajudar a contornar a árvore, mas quando ela sentou-se novamente, ela apenas disse como antes “Aborrecimento, aborrecimento! Você não pode deixar um corpo sozinho?”.

"Gostaria que eu lesse para você um pouco disso?" Alice continuou, pegando um jornal colocado a seus pés.

"Você pode ler ele se tiver um cérebro para", disse a vespa, com um pouco de mau humor. "Ninguém está impedindo você, que eu saiba".

Então Alice sentou-se com ele, espalhou o papel sobre os joelhos e começou. "Últimas Notícias. A Equipe de Exploração fez uma nova excursão pela Despensa e encontraram cinco novos pedaços de açúcar branco, grandes e em boas condições. Na volta...”.

"Algum açúcar mascavo?” interrompeu a Vespa.

Alice correu apressadamente os olhos no papel para baixo e disse: "Não. Não diz nada sobre mascavo".

"Sem açúcar mascavo!" resmungou a Vespa. "Uma exigente equipe de exploração!"

"Na volta", Alice passou a leitura, "eles encontraram um lago de melaço. As margens do lago eram azuis e brancas, e parecia a China. Enquanto saboreavam o melado, tiveram um triste acidente: dois da equipe foram engoshlidos...”.

"Onde o quê?" a Vespa perguntou em uma voz muito zangada.

"En-gosh-lidos" repetiu Alice, dividindo a palavra em sílabas.

"Não existe essa palavra no vocabulário!", disse a Vespa.

"Está no jornal, embora..." disse Alice um pouco tímida.

"Vamos parar por aqui!" disse a Vespa, afastando aflitamente a cabeça.

Alice largou o jornal. "Eu tenho medo que você não esteja bem", disse ela em um tom reconfortante. "Não posso fazer nada por você?"

"É tudo por causa da peruca", disse a Vespa disse em um tom mais suave.

"Por causa da peruca?" repetiu Alice, satisfeita ao descobrir que ela estava recuperava o temperamento.

"Você também ficaria zangada se a sua peruca fosse como a minha" continuou a Vespa. "Eles zombam de mim. E me aborrecem. E então eu fico zangada. E começa o frio. E eu fico debaixo da árvore. E recebo um lenço amarelo. E amarro no meu rosto – como neste momento."

Alice olhou com pena para ela. "Amarrar o rosto é muito bom para dor de dente", disse ela.

"E é muito bom para a presunção", acrescentou a Vespa.

Alice não entendeu a palavra exata. "É um tipo de dor de dente?" ela perguntou.

A Vespa refletiu um pouco. "Bem, não", ela disse: "é quando você mantém sua cabeça erguida - assim - sem dobrar o pescoço".

"Ah, você quer dizer torcicolo", disse Alice.

A Vespa disse: "Isso é um novo nome de moda. Chamava-se presunção na minha época".

"A presunção não é uma doença de todos", observou Alice.

"É, no entanto”, disse a Vespa “espere até que você tenha, e então saberá. E quando você pegar tente amarrar um lenço amarelo seu rosto. Ele vai curá-la em pouco tempo!”.

Ela desamarrou o lenço, enquanto falava, e Alice olhou para sua peruca com grande surpresa. Era amarela brilhante como o lenço, toda emaranhada e caiu como um monte de plantas marinhas. "Você poderia deixar a sua peruca muito melhor", ela disse, "se você apenas tivesse um pente”.

"O quê, você é uma Abelha, não é?" disse a Vespa, olhando para ela com mais interesse. “E você tem um favo. Muito mel?" [NT: Em inglês, comb pode significar pente ou favo de mel.]

"Não é desse tipo," Alice explicou apressadamente. "É para pentear o cabelo com - a sua peruca é tão áspera, você sabe".

"Eu vou te contar como eu cheguei a usá-la", disse a Vespa. "Quando eu era jovem, você sabe, meus cachos eram usados para acenar...”.

Uma ideia curiosa veio na cabeça de Alice. Quase todos que ela tinha encontrado tinham repetido poesia para ela, e ela achou que poderia tentar se a Vespa faria o mesmo. "Você se importaria em contar rimando?” ela perguntou educadamente.

"Não é como eu estou acostumada", disse a Vespa. "No entanto, vou tentar, espere um pouco." Ela ficou em silêncio por alguns instantes, e então começou outra vez.

"Quando eu era jovem, meus cachos acenavam
E enrolado e plissados na minha cabeça:
E então eles disseram: 'Você deveria raspá-los,
E usar uma peruca amarela em vez disso.

Mas quando eu segui seu conselho,
E eles tinham notado o efeito,
Eles disseram que eu não fiquei muito bem
À medida que se arriscaram a esperar. 

Eles disseram que não se adaptariam, e assim
Isso me fez olhar extremamente simples:
Mas o que eu podia fazer, sabe?
Meus cachos não iria crescer novamente. 

Portanto, agora que estou velho e cinza,
E meu cabelo está quase desaparecido,
Eles pegam a minha peruca e dizem
‘Como você pode colocar este lixo?'

E ainda, sempre que aparecem,
Eles vaiam de mim e me chamam de 'porca!'
E é por isso que eles fazem isso, querida,
Porque eu uso uma peruca amarela." 

"Sinto muito por você", disse Alice sinceramente: "e eu acho que se a sua peruca se ajustasse um pouco melhor, eles não te importunariam tanto".

"A sua peruca se ajusta muito bem", a Vespa murmurou, olhando para ela com uma expressão de admiração: "é a forma de sua cabeça que o faz. Suas mandíbulas não são bem formadas, embora... Acho que você não consegue morder bem".

Alice começou com um gritinho de riso, que ela se transformou em uma tosse bem como podia. Finalmente ela conseguiu dizer seriamente, "eu posso morder qualquer coisa que eu quiser".

"Não com uma boca tão pequena como esta" persistiu a Vespa. "Se você lutasse agora, conseguiria se apossar do outro pela parte de trás do pescoço?"

"Eu não estou com medo", disse Alice.

"Bem, isso é porque sua boca é muito pequena", continuou a Vespa: "mas o topo de sua cabeça é agradável e redondo." Ele tirou sua própria peruca enquanto falava, e estendeu uma garra para Alice, como se desejasse que ela fizesse o mesmo por ela, mas ela continuava fora de alcance, e se fez que não entendeu. Então, ela continuou com as críticas.

"Então, os seus olhos estão muito na frente, sem dúvida. Poderia ter sido feito um ao invés de dois, se você precisa tê-los tão perto...”.

Alice não gostava de ter tantas observações pessoais feitas para ela, e como a Vespa teve o ânimo completamente recuperado, e estava ficando muito falante, ela pensou que poderia deixá-la em segurança. "Acho que preciso ir agora", ela disse. "Adeus".

"Adeus e muito obrigada", disse a Vespa, e Alice tropeçou descendo a colina novamente, muito satisfeita porque tinha voltado e dado alguns minutos para fazer a pobre criatura velha e confortável.
Postar um comentário