Menino de Lugar Nenhum, de David Mitchell


Segredos são mais influentes do que a gente imagina. A gente mente para manter eles escondidos. A gente desvia conversas para evitar falar deles. A gente tem medo de que os outros descubram os nossos segredos e contem pro mundo inteiro. A gente pensa que o segredo está sob nosso controle, mas não é o segredo que usa a gente? E se os loucos moldam os médicos mais do que os médicos moldam os loucos?

Passamos por uma sequência de portas que me fez pensar em todos os cômodos do meu passado e do meu futuro. A sala do hospital onde nasci, salas de aula, tendas, igrejas, escritórios, hotéis, museus, asilos, a sala onde vou morrer. (Será que já foi construída?) Carros são cômodos. E florestas. Céus são tetos. Distâncias são muros. Úteros são cômodos feitos de mães. Túmulos são cômodos feitos de solo.

O canto dos pássaros é o pensamento de uma floresta.

As coisas silenciosas ficaram altas demais e não dava mais pra ouvir as coisas altas.

Música é uma tábua sobre a qual a gente caminha.
Postar um comentário