Vida sem Ela

Era o fim do mundo. O apocalipse. O Ragnarok. A volta de Shiva Destruidor. Enfim, acho que já deu pra entender. Basicamente era a mais completa e definitiva extinção do Universo chamado Joe. Como poderia haver Joe sem Mia? Se ele agora descobria que ela tinha uma doença terminal, obrigatoriamente ele também a teria. Era impossível ser saudável sem ela. Ser feliz sem ela. Ser ele sem ela. A mera suposição que isto viesse a acontecer ofendia a um dos aos axiomas mais sólidos já criados pela racionalidade humana. Os dois eram uma soma cujo resultado sempre daria um um inteiro. Não é o caso de Joe sempre ter sido assim, sentimental, dependente, carente. Foi Mia quem despertou o seu potencial para ser o Joe da Mia. Por isso que, olhando a figura  pálida dentro do jaleco parada à sua frente, falando coisas que ele não conseguia ouvir, Joe só podia pensar que tudo aquilo não passava de uma piada vulgar e sem graça. Doença fatal e Mia nunca deveriam aparecer na mesma sentença. Ok, tudo bem ele ainda estar no vigor dos trinta e dois anos e ela ter mais que o dobro disso. Quase o triplo. Mas ela era o centro do seu mundinho chato. Era o seu ponto de desequilíbrio. Era a parte vida louca da vida nada louca de Joe. Ao olhar fundo aqueles fundos olhos de corvo mensageiro, segurando o choro que ameaçava transbordar a qualquer instante, soube que teriam apenas mais seis meses juntos. Cento e oitenta dias. Quatro mil trezentas e vinte horas. Apesar de qualquer tempo ser pouco para se passar com quem se ama, quando se fixa um número os momentos que poderiam ser bons tornam-se um tic-tac angustiante, sufocante, deprimente. Mas ele precisava ser forte. Por Mia. Quando a trouxeram, ela estava tão feliz, tão radiante que dissiparia qualquer nuvem escura no céu. Joe teria de fazer o objetivo de sua vida transformar os últimos dias de Mia nos melhores. A mimaria em excesso, faria todas as suas vontades e satisfaria todos os seus desejos. Assim, como recompensa, guardaria as recordações mais preciosas dela. Talvez o fim do mundo pudesse ser encarado com serenidade, afinal, pensou Joe ao sair da clínica puxando a companheira pela coleira.


Postar um comentário