As Pelejas de Ojuara, de Nei Leandro de Castro


Agora eu vou lhe dizer o que é feio para mim. Feio é o choro da mãe com leite pedrado no seio, diante do filho morto por um cruel, fero e feio. Feia é a quela sombra escura que vai levando consigo o covarde que traiu o seu mais bondoso amigo. Feia é a maldade do homem, a herança de Caim, praga de mãe ofendida, tentação do Coisa-Ruim. Feio é o belo que mata por nada, só por ser belo. Para uns, o roxo é lindo. Para outros é o amarelo. A beleza e a não-beleza estão juntas em toda parte. No sangue de uma ferida, na solidão de uma arte. O belo é visto em tudo, depende de quem o olha. Quem ama o sapo é a sapa, quem ama o solho é a solha. Olhe seu rosto no espelho, veja o belo, a esperança. Deus não é feio e nos criou à sua imagem e semelhança.

Veja também:
- Filme O Homem de Desafiou o Diabo
Postar um comentário