O conde de Monte Cristo, de Alexandre Dumas


Não existe nem felicidade nem infelicidade neste mundo, existe a comparação de uma com a outra, só isso. Apenas aquele que atravessou o extremo infortúnio está apto a sentir a extrema felicidade. É preciso ter desejado morrer para saber como é bom viver.

Antes de sentir medo, enxergamos com precisão; enquanto estamos com medo, enxergamos em dobro, depois que o medo passa, enxergamos com dificuldade.

Os amigos que perdemos não repousam na terra, estão enterrados em nosso coração.

Os grandes sofrimentos são de tal maneira respeitáveis que não há exemplo, mesmo nas épocas mais infelizes, de que a primeira reação da massa não tenha sido uma reação de simpatia por uma grande catástrofe. Muitos indivíduos odiados foram assassinados num motim; raramente um desgraçado, mesmo criminoso, foi insultado pelos homens que assistiam à sua condenação à morte.

Alegria, para os corações que sofreram longamente, é igual ao orvalho para as terras calcinadas pelo sol: coração e terra absorvem essa chuva benfazeja que cai sobre eles, sem nada deixar evidente do lado de fora.

Os homens autenticamente generosos estão sempre prontos a se compadecer quando a desgraça do inimigo supera os limites do seu ódio por ele.

Como disse Francisco I, a mulher varia muito, é uma onda, diz Shakespeare; um era um grande rei, e o outro, um grande poeta, ambos deviam conhecer a mulher.

As pessoas que não fazem perguntas são os mais hábeis consoladores.

Por mais calejados pelo perigo, por mais avisados do risco, os homens compreendem sempre, pela palpitação do coração e pela palpitação da carne, a enorme diferença que existe entre o sonho e a realidade, entre o plano e a execução.

A vida é tão imprevisível que, quando a felicidade bate à porta, temos de agarrá-la.

Quando se vive com loucos, convém fazer o aprendizado da loucura.

Existem dois olhares: o olhar do corpo e o olhar da alma. O olhar do corpo às vezes esquece, mas o da alma sempre se lembra.

A vida é uma pausa na antecâmara da morte.

Nada assusta tanto os idosos como a morte deixar por um instante sua companhia para ir golpear outro velho.

'Finge valorizar-te e serás valorizado' é cem vezes mais útil em nossa sociedade que o axioma grego 'conhece-te a ti mesmo', substituído em nossos dias pela arte menos difícil e mais vantajosa de conhecer os outros.

Os quadros modernos em geral têm um grande defeito: o de ainda não terem tido tempo de se tornarem antigos.

Amo os fantasmas; nunca ouvi dizer que os mortos tivessem feito em seis mil anos o mal que os vivos fazem em um dia.

Para todos os males, há dois remédios: o tempo e o silêncio.

Não raro passamos ao lado da felicidade sem a ver, sem a olhar, ou, quando a vemos e olhamos, sem a reconhecer.

Um carcereiro nunca é um homem para um prisioneiro: é uma porta viva acrescentada à sua porta de carvalho; é uma barra de carne acrescentada às suas barras de ferro.

Lamentações feitas em comum são quase preces; preces feitas a dois são quase graças concedidas.

Aprender não é saber; há sabidos e sábios; é a memória que faz os primeiros, é a filosofia que faz os outros. [...] Filosofia não se aprende; a filosofia é a reunião das ciências adquiridas pelo gênio que as aplica; a filosofia é a nuvem reluzente em que o Cristo pôs o pé para subir aos céus.
Postar um comentário