As Vinhas da Ira, de John Steinbeck

Há que se ter medo da hora em que o homem não mais quiser sofrer e morrer por um ideal, pois que esta é a qualidade básica da humanidade, é a que a distingue de tudo o mais no universo.

A gente podia viver mil vidas ao mesmo tempo, mas no final só pode escolher uma. É demais pensar com antecedência em como tudo poderia vir a ser. Você pode viver no futuro, porque é muito jovem ainda, mas para mim o futuro se resume na estrada que corre debaixo dos nossos pés.

Não force a fé até à altura do voo dos pássaros e não rastejará como os vermes.

Não existe pecado nem virtude. Só existe aquilo que a gente quer fazer. Tudo faz parte da mesma coisa. Algumas coisas que a gente faz são boas e outras não prestam, mas isso está na cabeça de cada um.

As mulheres se acostumam mais depressa que os homens. Uma mulher tem a vida toda nos braços, o homem tem ela na cabeça.

Sempre que um homem tivesse um pouco de dinheiro podia embriagar-se. Aí acabavam-se as arestas, e tudo era quente, confortador. Aí não havia mais solidão, pois que o cérebro povoava-se de amigos e o homem podia achar seus inimigos e aniquilá-los. O homem sentava-se num buraco e a terra tornava-se macia debaixo dele. A desgraça doía menos e o futuro não mais aterrorizava. E a fome não mais rondava por perto, o mundo era suave e sem complicações e o homem podia chegar aonde quisesse. As estrelas desciam maravilhosamente próximas e o céu era tão encantador! A morte era um amigo e o sono era irmão da morte. Voltavam os tempos antigos... uma moça de pernas bonitas, com quem outrora se dançava em casa... um cavalo... oh, faz tanto tempo que isso aconteceu!
Postar um comentário