vários poetas
constrói
um multiplix

torture um poeta
quebre a paz
desafie a escrita

falar da doença
anima ao moribundo
convalescer

filosofar dores alheias
espelho distorcido
fingimos não saber

quis Deus existisse um
capaz pelos demais sofrer
o verbo interpretar

doente-poeta-mor
males universais carrega
no peito, mãos, papel

haveria o homem
poesia almejar
aumentar quinhão de males?

não escolhe o poeta ser
contamina-se
incurável, contagia

poesias são chagas
tratamento e cura
injeção diária

doenças são poesia
melhor e pior afloram
às vezes, necessários

Para ser lido em qualquer ordem. Aos entendidos em poetrix, não sejam cruéis, é a minha 1ª tentativa.
Postar um comentário